VERMICULTURA – POR ONDE COMEÇAR?

[minhocas.jpg]

Para quem vive em apartamentos sem acesso a espaço ao ar livre, a vermicompostagem é a opção mais aconselhada para reciclar a matéria orgânica produzida em casa. Neste processo são utilizadas minhocas que, em conjunção com microrganismos, processam os restos de cozinha fermentáveis. O produto final (dejetos), embora com características diferentes do produzido por outros métodos, é igualmente um corretivo orgânico de alta qualidade (composto). Uma grande vantagem deste sistema consiste no fato de não originar cheiros e ocupar um espaço limitado, dentro de contentor próprio.

As minhocas

Existem milhares de espécies de minhocas no mundo, mas são poucas as espécies que proliferam em ambientes de alta concentração orgânica como é o caso da vermicompostagem. A espécie mais utilizada é a Eisenia fetida, a minhoca vermelha.

O local

A escolha do local para colocar a caixa de minhocas deve ter em consideração os vários fatores que influenciam a atividade das minhocas, nomeadamente a temperatura, pH, humidade, arejamento e luminosidade. De 15¼ a 25¼C as minhocas vermelhas degradam mais rapidamente a matéria orgânica. O frio e o calor diminui a atividade das minhocas e pode até matá-las. As minhocas toleram ambientes com pH entre os 5 e 9. Fora desse intervalo elas tentarão escapar da caixa ou morrerão.
A humidade é indispensável às minhocas. Estas respiram e excretam resíduos através da pele que tem que estar húmida. No entanto demasiada humidade pode ser fatal para as minhocas. As minhocas são aeróbias, necessitam do oxigénio para os seus processos metabólicas, daí a importância do arejamento da caixa das minhocas. As minhocas são sensíveis à luminosidade daí ser necessário protege-las da luz. Em resumo o local deve ser escuro abrigado do frio e calor, seco e ventilado.

A compostera

Pode utilizar uma gaveta velha, um aquário, construir uma caixa de madeira ou comprar uma caixa de plástico para servir de compostor. O contentor deve ter orifícios para a ciculação de ar dado que as minhocas e microrganismos necessitam de oxigénio. Para isso faça furos na tampa e partes lateriais da caixa. Devem ser do tamanho tal que não deixe entrar moscas. Uma rede pode ser colocada para esse fim. As minhocas alimentam-se de baixo para cima então a caixa ideal deve ter uma grande superficie em comparação com a altura para que a degradação seja facilitada. Numa maior área de superficie existe uma maior área para o arejamento e para colocar os restos de matéria ogânica.
A pouco profundidade também evita compactação do material que promove condições anaeróbias. O tamanho da compostera depende da quantidade e do tipo de restos de cozinha que uma pessoa produz por dia; é necessário saber quantas refeições por dia são feitas, a quantidade de sobras e se são á base de legumes e vegetais. Limpe a caixa para remover resíduos que possam fazer mal às minhocas. Para caixas de madeira forre o fundo e os lados com um plástico (por exemplo com uma cortina de chuveiro ou saco do lixo).

A comida

As minhocas alimentam-se de qualquer tipo de vegetal desde que cortado em pedaços. Não devem ser adicionados quaisquer produtos animais. O grau de humidade da cama deve ser verificado regularmente. Se as minhocas se acumularem nas camadas superiores provavelmente existe excesso de água e nesse caso deve retirar a tampa. Se pelo contrário as minhocas se acumularem no fundo deve borrifar a cama.

Fonte:http://www.esb.ucp.pt

FONTE: http://mundoorgnico.blogspot.com/2009_06_01_archive.html

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s